>> A POLUIÇÃO MATA MAIS QUE TRÂNSITO! >>

Em Campinas, 350 vidas são perdidas por ano em razão da poluição do ar.
Estamos adoecendo por causa do ar e a fumaça dos motores é um dos grandes causadores desses problemas. A boa notícia é que podemos acabar com a emissão de poluentes dos ônibus municipais agora mesmo!

Campinas está prestes a realizar uma nova licitação para a contratação de empresas que vão operar os 1200 ônibus que circulam pela cidade. Essa é uma excelente oportunidade para exigirmos mais qualidade e para zerar as emissões de material particulado do escapamento dos ônibus, que segundo um estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade, mata 350 pessoas a cada ano em nossa cidade. Se não aproveitarmos este momento, talvez tenhamos que esperar mais 15 anos!
O Prefeito já prometeu uma área no centro da cidade onde será proibido o ônibus à diesel e a adoção de 250 ônibus elétricos, mas isso não é o suficiente. Precisamos que a licitação traga um plano claro e convincente para a substituição dos ônibus à diesel por ônibus limpos em toda a frota. Nos adiantamos e fizemos parte do trabalho para a Prefeitura com uma recomendação técnica de metas para redução da emissão de gases poluentes por ônibus.

Se você também quer que nossos ônibus parem de soltar fumaça e salvar vidas, mande esse email para o Prefeito exigindo energia limpa para toda a frota da cidade.




Peça ao Prefeito Jonas (PSB) que aceite nossa recomendação de redução de emissão de gases para Campinas!

Who will you press? (1 target)
Pedidos enviados ao Prefeito
HACKATHON CAMPINAS DOS SONHOS

No dia 27 de abril realizamos o Hackathon Campinas dos Sonhos: Desenhando um Futuro com Transporte Limpo, o evento contou com pessoas de toda a cidade que, em uma maratona de 12 horas, criaram soluções para promover a mobilidade sustentável em Campinas! Uma maneira de mostrar que é possível escolhermos a saída mais sustentável para nossa cidade. Veja no site do Hackathon como foi o evento e as participações. Clique, e saiba mais!!


POR QUE AGORA?




A Justiça finalmente obrigou Campinas a publicar a licitação do transporte público. Em 2015, o Tribunal de Contas do Estado encontrou problemas no contrato atual que foi feito em 2005. Desde então, a Prefeitura vem prometendo e não cumprindo a nova licitação.

É agora ou nunca! Podemos perder a chance de inserir esses itens de sustentabilidade no contrato dos ônibus já que ele pode ter duração de 15 anos. A Prefeitura pode exigir nos contratos, por exemplo, que as concessionárias adotem motores mais limpos a cada ano e estabelecer datas para que isso aconteça.



E OS CUSTOS?




Os ônibus elétricos são realmente mais caros do que os movidos a combustão interna. Entretanto, o Prefeito Jonas (PSB) prometeu 250 ônibus em 2 anos. Se ele consegue essa eficiência, nossa cidade pode assumir um cronograma de redução a longo prazo.

Além disso, estudos mostram que em 10 anos os ônibus elétricos acabam ficando 9% mais baratos que os atuais ônibus, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) tem linhas de crédito especiais para esse tipo de projeto e Campinas já está fazendo parceria com a BYD, empresa chinesa instalada na cidade e fabricante do veículo elétrico.



QUAL A IMPORTÂNCIA?




São dois ganhos principais: para o meio ambiente e a saúde da população de Campinas. A combustão de veículos é uma das maiores fontes dos gases de efeito estufa que causam o famoso aquecimento global, alterando temperaturas, aumentando os níveis de oceanos com o derretimento das calotas polares e a incidência de enchentes.

Além disso, a combustão libera Óxidos de Nitrogênio e Material Particulado que são responsáveis por causar diversas doenças respiratórias que matam mais que o próprio trânsito em Campinas.



CAMPINAS PRECISA DE MAIS!

O governo Jonas (PSB) foi reeleito no primeiro turno com 66% dos votos falando da 'força da inovação'. Tanto que correu atrás e prometeu entregar 250 ônibus elétricos para Campinas até 2020. Infelizmente, para abordarmos o grave momento ambiental que vivemos na cidade, Campinas tem que implementar e continuar na mesma toada, ampliando o leque de soluções a longo prazo. O Prefeito não pode ser reeleito novamente, mas pode estabelecer uma meta para que as próximas políticas governamentais se comprometam com a mesma diretriz e busquem a redução de gases poluentes!

Além disso, Campinas é signatária do Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia. O Prefeito Jonas (PSB), enquanto era presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, assinou este pacto no qual Campinas se comprometeu a "reduzir a emissão de gases do efeito estufa e mitigar os efeitos das mudanças climáticas, assinalando o compromisso desta gestão com a sustentabilidade", juntando-se a um movimento mundial de sustentabilidade nas cidades. Campinas já se comprometeu, fez o inventário e agora é a hora de agir estabelecendo um plano de metas concreto!

Em 2017, 12 dessas cidades se comprometeram a zerar as emissões de gases do transporte público! Foi assinada a Declaração das Ruas Livres de Combustíveis Fósseis (Fossil Fuels Free Streets Declaration). No documento, elas se comprometeram em adquirirem, a partir de 2025, somente ônibus com emissão zero e expandir áreas com emissão zero nas cidades até 2030. Hoje, 26 cidades são signatárias. Veja algumas experiências internacionais!
EXEMPLO NO BRASIL

Apesar de nenhuma cidade ter assinado a Declaração, já temos bons exemplos no Brasil, como São Paulo. Em 2018, a capital paulista aprovou uma lei com uma meta de redução gradativa da emissão dos gases poluentes no transporte público. Pela meta, São Paulo deve reduzir quase que totalmente a emissão de gases de efeito estufa em 20 anos!

Além da capital, Santo André também entrou nessa onda! No edital publicado, a Prefeitura exigiu que a empresa reduza já no primeiro ano a emissão de gases poluentes em 20% e 100% do CO2 em 20 anos. Campinas está numa situação parecida e é mais do que capaz de estabelecer essa meta para o nosso - e do mundo inteiro - futuro!










SABIA QUE POLUIÇÃO MATA MAIS QUE TRÂNSITO?

Em 2011, foram 350 mortes atribuíveis a poluição em Campinas, enquanto o trânsito tirou 147 vidas. Se considerarmos a Região Metropolitana de Campinas (RMC), foram 1.082 mortes em função da baixa qualidade do ar que respiramos.

Um dos grandes responsáveis pelas doenças respiratórias é o Material Particulado (MP). Segundo a CETESB, trata-se de "um conjunto de poluentes constituídos de poeiras, fumaças e todo tipo de material sólido e líquido que se mantém suspenso na atmosfera por causa de seu pequeno tamanho." Em Campinas, o ônibus urbano é responsável pela emissão de 18,3% de todo Material Particulado de veículos, de acordo com o Inventário dos Gases do Efeito Estufa e Poluentes Atmosféricos da Região Metropolitana de Campinas, realizado recentemente pela WayCarbon a pedido da Secretaria Municipal do Verde e Desenvolvimento Sustentável (SVDS).
Os níveis de Campinas estão acima dos aceitáveis estipulados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com a organização, a média aceitável de concentração do MP é de 10µg/m³. Em Campinas, de acordo com o levantamento do ISS, a média anual entre 2006 e 2011 fica entre 17,86µg/m³ e 23,00µg/m³. As principais fontes de emissão de particulado para a atmosfera são: veículos automotores, processos industriais, queima de biomassa, ressuspensão de poeira do solo, entre outros.
E A SAÚDE DO PLANETA?

Além de afetar nossa saúde, o aumento excessivo da emissão de gases que provocam o efeito estufa tem consequências muito perigosas para todo o planeta, como enchentes, desertificação, degelo das calotas polares, levando ao aumento do nível dos oceanos e alterações climáticas. Mostramos que há diversas cidades no mundo engajadas em combater esses efeitos da excessiva emissão de gases através de políticas públicas efetivas. O transporte público é algo que está totalmente ao alcance do poder público para que seja alterado e contribua nessa questão global.





ODS
Esta campanha está alinhada com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU. Clique e saiba mais









Nós buscamos promover participação popular consciente nas tomadas de decisão da cidade de Campinas, com tecnologias sociais e digitais, através de mobilizações sociais e incentivo a comunidades de ação. Achamos fundamental que a nossa cidade aborde esse tema global com consequências muito reais pra gente. A licitação dos ônibus é uma ótima oportunidade para agirmos agora e garantirmos uma ótima mudança!
Para manter nossa independência, não recebemos recurso público, de partidos e empresas concessionárias de serviços públicos. Por isso, precisamos da sua doação para continuar mobilizando!